Como começar a estudar redação do zero | Enem


Neste vídeo, eu explico como começar a estudar redação do zero.
Sou a fada da redação e to aqui pra te permitir tirar 900+ no Enem sem depender de acertar o tema.
Receba meu conteúdo gratuito no Telegram:

Baixe a degustação do Livro da Redação Coringa, com alguns dos meus modelos prontos que servem pra qualquer tema:

Treinamento Redação Coringa (clique e cruze os dedos, migue):

Pode me mandar dúvidas no DM do Instagram:

Acesse o lumacast. [primeiro podcast de redação do Enem do Spotify]:

Acesse meu site:

25 comentários em “Como começar a estudar redação do zero | Enem”

  1. Eu não sei redação. Nunca produzir texto. Estou no ensino médio e não sei. Desde do 6 ano não fiz. Nem interpretar texto não sei e tenho vocabulário fraco. Não tenho habilidade de ler. Penso em ter a habilidade. O problema é o meu vocabulário (vocabulário fraco). Nem o dicionário entendo.

  2. Boa tarde Luma tenho que fazer uma redação pra ingressar na faculdade só que não deram tema e não sei nem o que fazer poderia me ajudar ?

  3. Francisco Jucielio

    Luma, boa noite mim chamo Francisco jucielio de Souza Oliveira e não como começa uma redação por favor mim ajude eu te agradeço muito!!!

  4. Julia Amaral Carvalho

    Olá, meus vestibulandos! Meu nome é Júlia tenho 18 anos e corrijo redações, cobro R$ 1,50 por cada produção (a maioria dos cursinhos cobram em média R$ 3,50 💸). Sua redação será corrigida de forma extremamente detalhada, apontando cada erro e como melhorar, além disso, farei um mapeamento completo da sua produção (trago um modelo da folha de correção lá no insta jc_redacao). Se interessou?! Venha conhecer um pouco da minha história no meu ig. Mais informações no direct 💕

  5. Em 2018 tirei 380 e em 2019 um mês antes do enem comecei ver dicas da Luma e tirei 800, porém tirei nota baixa nas areias de conhecimento. Detalhe, só vi minha nota hj 25 de outubro de 2020

  6. A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira

    No filme `Doce vingança´´, conta sobre uma mulher que foi estuprada por um grupo de homens num sítio distante da cidade, ja na vida real esse tipo de violência e várias outros tipos de brutalidade contra as mulheres, acontecem frequentemente tanto na sociedade brasileira, como também no mundo.

    Em primeiro lugar, vale ressaltar que, desde a época da escravidão, as mulheres sempre foram menosprezadas e humilhadas, sem o direito de se defederem, de ter a própria opinião e até mesmo de trabalharem, diante do preconceito da sociedade por serem consideradas sexo “frágil´´. Diante dessa realidade, desde os séculos passados até agora, as mulheres por não ter seu devido valor, são vitimas de violências fisicas e psicológicas que em 80% das vezes resultam em feminicidio.

    Outrossim, destaca-se também os movimentos para que esses atos sejam banalizados por meio da lei, em 2006, entrou em vigor a lei maria que penha, que defende todas a mulheres que forem vítimas de seus maridos, namorados e ate mesmo de desconhecidos na rua. Ademais, sete em cada dez mulheres que discam para o 180, afirmam se agredidas e violentadas pelos próprio companheiros, que não aceitam que as suas cônjugue tenham a liberdade de se relacionar com outras pessoas, logo, a frase ´´ se não ficar comigo, não ficará com ninguém´´ que são usados pelos agressores.

    Fica claro, portanto, que as mulheres precisam de mais segurança e acolhimento do estado para que tais atos brutais não ocorram, para mudar essa realidade, o governo estadual tem que seguir a punição de acordo com as leis, e por meios tecnológicos e a mídia incentivar a todas mulheres de qualquer idade denuciar quaisquer tipo de violência, e criar um acolhimento a mulheres e filhos que são vitimas, disponibilizando a eles acesso grátis a psicológos para que consigam superar o trauma causado pelos agressores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.